Síndrome do olho seco

Comentei tempos atrás que minha filha, quando nasceu, os canais lacrimais estavam entupidos, ou seja, os olhos permaneciam secos, sem lágrimas para limpar e proteger os olhos. Na ocasião, por recomendação de um especialista, fazíamos massagem nos canais lacrimais para desobstruí-los. Foi o suficiente para nunca mais relatar o problema.

Temos também a Síndrome do Olho Seco (que é diferente do entupimento dos canais ao nascer), que acomete especialmente as mulheres mais velhas. Lembrando, sem as lágrimas, nossos olhos permanecem secos e com isso permanecem vermelhos, provocam dores e a sensação de areia dentro dos olhos.

Entre as causas desta síndrome, destacam-se:

* Função reduzida das glândulas lacrimais e perda do componente aquoso da lágrima como consequência do envelhecimento, de doenças sistêmicas e autoimunes (síndrome de Sjögren, artrite reumatoide, lúpus, etc.), do uso de certos medicamentos, entre outros os antidepressivos, os antialérgicos, os betabloqueadores;

* Evaporação excessiva provocada por fatores ambientais (ar condicionado, vento, clima quente e seco, fumaça,etc.);

* Anormalidades nas pálpebras.”

O diagnóstico é basicamente clínico, mas pode-se contar com o exame da lâmpada de fenda e o teste de Shirmer para avaliar o nível de produção de lágrimas.

“O tratamento da síndrome do olho seco é feito com a aplicação de lágrimas artificiais, ou seja, de lubrificantes oculares, sob a forma de colírio ou pomada. Eles ajudam a aliviar os sintomas e, geralmente, não costumam ter efeitos adversos. É indispensável, porém, identificar e controlar as causas do distúrbio.”